Carta à Paternidade: Pai é aquele que ama

Passado o domingo do pai, venho falar de uma experiência repleta de chegadas e partidas, de crescimento e reencontros, de amor e de perdão.

Ao invés de presentes, declarações e abraços decidi escrever uma carta e endereçar à você, Paternidade. Como toda pessoa, você é diversa em si mesma e foi quando te entendi, passei a te amar como filha.

Pela sua perseverança em sonhar, fazer planos e vibrar cada vitória como uma conquista olímpica; por imaginar que foi difícil pra você conter as lágrimas ao som do primeiro “papai” e como você se encheu de luz ao testemunhar os primeiros passsos de um ser que mesmo tão pequeno te fez sentir um amor muito maior que você, te envio um grande abraço.

Sabendo que você silencia, preserva a si e à cria, que engole o choro e o sofrimento a seco, que disfarça a tristeza e esconde o medo e, como quem não tem opção, atravessa um incêndio sem um gemido de dor sequer: aqui vai o meu abraço.

Sei que você, Paternidade,  também se confunde, se perde, se culpa e se arrepende. Não é fácil ser humano quando a vida e as pessoas nos tratam como animais. Acredite, tudo que te aconteceu até aqui te transformou numa paternidade mais sábia, amada e real. A maioria das pessoas não sabe que a paternidade também dói. Receba meu abraço, dessa vez mais demorado. E se precisar, pode chorar um pouco. Vai ficar tudo bem.

Por te admirar na sua história, na sua ausência justificada, pelo temor de te decepcionar e perder o seu amor e por sonhar em ter um dia uma pessoa como você na minha história, te peço um abraço que acalme minha ansiedade e meu medo. Céus, como te admiro e como fico sem chão quando imagino meu mundo sem sua existência!

Se a vida te deu esse papel muito cedo ou tarde demais, não importa.

Se ninguém te ensinou o que fazer com toda essa responsabilidade e por isso você às vezes não sabe se está agindo da maneira certa, não tem problema.

Se tudo isso aconteceu sem que você quisesse ou soubesse e por isso no começo você não agiu como gostaria (mas já sabe o que poderia ter feito), está tudo bem.

Se quem te deu essa missão foi a Natureza, a Ciência, a vida ou algum coração órfão, a sua importância não muda.

Muito além do dia de ontem e dos que te transformaram em quem você é hoje, mais que a responsabilidade de salvar e ensinar, você é muito importante. O mundo inteiro te admira e te quer bem.

Por fim e não menos importante te dedico minha gratidão pela maior lição: pai é aquele que ama. 

Parabéns, me perdoe, eu te amo e obrigada.

2 thoughts on “Carta à Paternidade: Pai é aquele que ama

  1. Mexeu comigo esse texto, perfeito em cada linha vi desenhado meu amor e dedicação pelos meus filhos, sou pai de 5 porem apenas (2) tem meu sangue, nunca neguei amor a nenhum muito pelo contrario a paternidade revelou o melhor de mim.
    cada linha sua descreveu os medos e ansiedades de se criar um filho de se vibrar com cada conquista … pai de fato é aquele que ama e com todo carinho lhe agradeço pelo texto maravilhoso que expôs bem a nossa essência de pai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *