Tasca neles!

Hoje escrevo sobre um dos mais sublimes prazeres da minha vida: comer. Comer é algo tão importante pra mim que sou capaz de deixar de pegar um táxi pra pagar mais caro num jantar. Sim, eu adoro comer!

Bacalhau do Culto da Tasca

Como no máximo 10 pessoas sabiam, saí do Brasil para praticar minha já adquirida cidadania portuguesa AND realizar um sonho meu e da minha mãe: fazer um mestrado fora do Brasil.
Atualmente moro em Lisboa mas tirei essa semana pra conhecer Cascais e Sintra, cidades muito importantes na vida de um dos meus familiares.

Desde que cheguei a Portugal tenho observado o comportamento dos locais (portugueses e imigrantes que aqui estão há algum tempo) para tudo. As escolhas deles são minha referência, pois estou aqui para ficar.
Em relação à alimentação só tenho tido sucesso quando “imito” as escolhas dos meus amigos portugueses. Graças a eles aprendi muito sobre tascas e tabernas, elementos históricos que ainda sobrevivem e são literalmente caçados pelos turistas.

Uma taberna ou tasca é (atualmente) um restaurante simples. Em Portugal esses lugares vingaram até os anos 1980, tanto nas áreas rurais, onde eram o centro por excelência da vida social das pequenas localidades, como nas urbanas.
No Porto conheci a Taberna Santo Antônio e uma outra tão pequenina que nem sei se tinha nome! Nesses dois lugares fui atendida por portugueses super simpáticos e divertidos.

Em Lisboa conheci a Tasca do Fernandinho, aonde sentei à mesa com pessoas que nunca vi na vida por ser uma prática comum na casa tendo em vista o espaço pequeno e a grande rotatividade de clientes.
Em Sintra visitei duas tascas, ambas frequentadas maioritariamente por locais.
Hoje estou em Culto da Tasca e preciso dizer que estou perplexa com a comida. Não tenho outro adjetivo pra definir a delícia que foi meu almoço!

O ambiente de uma tasca é geralmente simples, podendo às vezes possuir mesas compartilhadas por diferentes clientes. A comida é mil vezes melhor que em restaurantes com expressiva rotatividade turística, além de acompanhar o custo de vida local. Além da comida ser ótima conheci portugueses divertidos, afetuosos e que me fizeram sentir em casa! 🙂

Vinho Branco da casa

O equivalente a uma tasca Portuguesa em Manaus seria:
A) Cantinho do peixe, no pq10
B) Gabinete de Jocca Loureiro, meu lugar favorito do mundo mundial
C) bar do galo carijó
E) lanche do careca lindo
D) skina dos sucos, etc

Basta imaginar aonde você pode ir pra comer um jaraqui frito com aquele guaraná regente ou baré estupidamente gelado, saindo pleno e feliz por ter almoçado lá sem gastar fortunas desnecessárias.

Quando meus amigos pedem dicas de alimentação durante viagens tento indicar lugares que são mais frequentados por locais que por turistas. O motivo é muito óbvio pra mim, mas enumero aqui pra você que não tem a prática de viajar constantemente:
1- comida pra turista é sempre mais cara
2- em vários restaurantes turísticos a equipe do estabelecimento não é nascida no local! São imigrantes precisando trabalhar e por isso não possuem aquele know-how passado de família pra família.
3- sempre gostei de viver a vida local, abrindo mão de facilidades e roteiros mais turísticos.
4- comida feita às pressas e em grande quantidade não é gostosa
5- viajar com qualidade é muito mais que tirar fotos em pontos turísticos e ficar hospedado nos melhores hotéis, é conhecer a região pela ótica do morador local.
6- pelo fato de serem dirigidos e frequentados por locais, nos restaurantes menores (em Portugal, as tascas) você pode obter ótimas informações sobre locais para conhecer, preços apropriados e dicas que site de turismo nenhum vai te dar.

Conta em Culto da Tasca (Sintra)

Sou suspeita pra falar de viagens “roots”. Ainda escreverei aqui sobre o Caminho francês de Santiago e minha experiência na Irlanda e no Uruguai, aonde morei e estudei.
Mas posso garantir que qualquer dica que eu der sobre viagens será incontestável, fidedigna e dificilmente decepcionante!
Viajar tem sido meu maior hobby e tem me tornado uma pessoa muito melhor (e mais gordinha hahahaha).

Beijos em todos vocês!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *